Você está em: Página Inicial > Notícias > Consumidores devem ter cuidado com os programas de fidelidade
Notícia postada em 13/09/2016
Consumidores devem ter cuidado com os programas de fidelidade
Fonte: Estado de Minas - em.com.br - 12 de setembro de 2016

Com juros no cartão de crédito a 470% ao ano, impulso de compras para ganhar benefícios pode ter custo alto e anular as vantagens oferecidas

Os programas de fidelidade se multiplicaram no mercado brasileiro e já fazem parte da rotina do consumidor. Hoje são mais de 72 milhões de cadastros nas cinco maiores empresas do setor, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf). 

A oportunidade de comprar, ganhar pontos e ser compensada com outros produtos ou serviços é interessante: os consumidores ganham em época de aperto econômico e as empresas tentam fidelizar os clientes. Mas como tudo que se relaciona ao consumo, é preciso tomar alguns cuidados para usar bem os programas.

Carolina Ruhman Sandler, especialista em educação financeira e fundadora do site Finanças Femininas, dá algumas dicas para o consumidor não se enrolar financeiramente ou se perder nos vários pontos acumulados. “É importante consumir com cuidado, principalmente em tempos de crise econômica. Os programas de fidelidade envolvem uma relação de consumo básica: quanto mais você consome, mais pontos acumula. Por isso, é bom não se empolgar”, recomenda.

Sandler lembra que é preciso ficar atento para não se complicar com os valores a serem pagos. “A taxa de juros do cartão de crédito, por exemplo, com certeza não compensará os pontos acumulados no programa. É preciso muita atenção para evitar o endividamento e a inadimplência: o controle financeiro deve ser sempre a principal preocupação do consumidor”.
 
A especialista em educação financeira lembra que as taxas de juros do cartão de crédito estão em 470% ao ano, segundo dados do Banco Central (BC). “Se o consumidor cria a justificativa de sempre comprar com o cartão de crédito para ganhar milhas, por exemplo, ele pode pagar um preço alto. O cartão de crédito é uma ′arma′ perigosa para quem não sabe gastar”, ressalta.

No caso das milhas, Sandler destaca ainda que o consumidor deve ficar atento, pois as vezes se empolga nas compras no crédito para ganhar milhas e em alguns casos pode ser que o consumidor nem aproveite as milhas que acabam expirando. Dados da Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf) mostram que a taxa de pontos expirados ficou em 16% no primeiro semestre deste ano. “O consumidor se endivida e acaba nem usando os pontos de milhagem”, salienta.

Para o Idec, o consumidor deve consultar a situação do programa de milhagem ou de pontos acumulados no cartão de crédito para poder resgatar o prêmio antes do cancelamento. “As regras dos programas de milhagem e de pontos mudam de empresa para empresa, por isso é importante ler as regras e cláusulas dos contratos assinados”.

“É importante avaliar ainda se taxas de administração e, no caso dos programas associados ao uso de cartão de crédito, a anuidade cobrada compensam o benefício oferecido. Cartões de crédito com status superior oferecem melhores condições de trocas de milhas, por exemplo, mas o valor da anuidade também é maior. É preciso fazer as contas e analisar se essa troca vale a pena”, alerta Sandler.

Ajuda na mão O consumidor que participa dos programas de fidelidade deve ainda se organizar. “Ficar de olho nas validades é uma tarefa difícil, mas há aplicativos que podem ajudá-la. É o caso do Oktoplus, que reúne mais de 40 programas”, explica Sandler. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) também recomenda concentrar todos os pontos em um único programa para facilitar o controle e focar os esforços.

Segundo o Idec, é extremamente importante que o consumidor leia o contrato de adesão antes de ingressar nos programas. Cada um deles tem as restrições específicas e as condições de utilização dos pontos devem ser compreendidas com clareza. É importante, por exemplo, entender se é possível usar milhas para passagens de fins de semana e qual é o valor mínimo a ser acumulado para resgatar os benefícios. Os programas de fidelidade também devem obedecer ao Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Tipos de programas Existem, hoje, três categorias de programas de fidelidade. Os programas de coalizão são aqueles que reúnem uma rede de empresas parceiras, como os oferecidos pela Dotz e Multiplus, por exemplo. Já os programas individuais são oferecidos pelas próprias empresas e os pontos são trocados por produtos da marca ou de parceiras. É o caso, por exemplo dos programas de diversos bancos. Há também sites de cashback, que permitem o resgate de parte do dinheiro, como o Cashola e o Méliuz.

“Os programas de cashback são sempre uma boa pedida, mas antes de participar dos sites de resgate de dinheiro, é preciso pesquisar antes o preço do produto desejado direto no site da marca ou mesmo na loja física para verificar se, de fato, existe a promoção. Na maioria dos casos, os sites de cashback são verdadeiros e ainda ajudam na fidelização do cliente”, comenta.
 
Dicas úteis para aproveitar bem suas milhas

Filie-se aos programas das companhias aéreas que operam nos trechos para os quais você gostaria de viajar.

Agrupe seus pontos em uma única companhia aérea.

Programe-se para fazer viagens mais longas com as milhas. Às vezes, uma passagem para o Rio de Janeiro demanda o mesmo número de pontos que uma para Belém do Pará, por exemplo.

Antes da viagem, leia o contrato e informe-se sobre as condições do período em que pretende utilizar as milhas.

Se pretende viajar em um feriado ou nas férias escolares, emita sua passagem com bastante antecedência. 

Fique atento às promoções. É possível conseguir passagens para destinos interessantes usando poucas milhas. 

Verifique sempre o seu extrato de pontos para saber a data em 
que eles vão expirar, assim como se as milhas foram creditadas ou descontadas corretamente.

Imprima essa página
Indique para um amigo
Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook